quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Filho único: bom ou ruim?

O que vocês pensam sobre filhos únicos?

Eu, em particular, não quero ter mais filho por opção. Quero poder dar o melhor para Matheus e com 2 ou mais sei que isso vai ficando cada vez mais difícil. Quero dar a melhor educação a ele para que tenha melhores chances neste mundo tão voraz.
Sem medo, não acredito que o filho único seja uma criança dependente, infeliz, egoísta e mal educada. Acho que tudo isso vai depender muito da cabeça dos pais que esta criança tem. Não vou negar que tinha um certo receio desses mimos todos, mas o que tenho ouvidos das pessoas amigas, educadores e outros é que Matheus é uma criança muito educada, sabe compartilhar seus brinquedos sem problemas e não é nem um pouquinho mimado. Não é não e é aceito tranquilamente. ( Claro que às vezes tem umas birras, mas normal, né? ) Isso me orgulha muito e me faz sentir que estou mesmo no caminho correto. Não tenho pena de recriminá-lo quando faz uma besteira e tento mostrar a ele que nem tudo que quer pode ter naquele exato momento.
Mas é barra, as pessoas te cobram! Vai você dizer que não quer mais filhos e você vai ouvir mil e um motivos para que você tenha outro.
Sou classe média e não tenho dinheiro esbanjando para dar o melhor para 2 filhos. Tem que ter dinheiro ( e muito) para que seus filhos tenham boas escolas, faculdades, curso de línguas, esporte... Aqui no RJ tudo é muito caro! Uma creche boa na zona norte está em torno de R$ 900.00! Quem tem hoje R$ 1800.00 assim, livres? Fora lista de material, capoeira, natação... TUDO!
Não dá e infelizmente você vai preferir inscrevê-los numa escola mediana que dê para pagar para 2.

Veja o texto abaixo retirado de um site onde uma psicóloga fala sobre o filho único:

"Sempre foi dito que o conceito de filho único estava associado com a extrema proteção e a má educação. No entanto, hoje em dia, o panorama dessa situação está mudando. As investigações chegam a assegurar que uma criança que é filha única, possui mais qualidades que defeitos.

Antes, o filho único, tinha fama de crer que era o centro do universo, de ser egoísta, malcriado e rebelde. Hoje em dia vê-se o lado positivo da situação. Considera-se o filho como uma pessoa normal, independente que seja filho único ou não.

Segundo a psicóloga argentina Gabriela Ensinck, o fato de ser filho único, não é um elemento que define por si só o futuro de uma criança. Sua evolução, como a de qualquer outra, depende da educação que lhe dê seus pais. O filho único pode ter um desenvolvimento tão sadio como o filho com muitos irmãos. Alguns problemas que experimentam as crianças, como a dependência dos pais, o consentimento, a superproteção, a introversão, etc., não são apenas características dos filhos únicos. Deve-se, na maioria das vezes à maneira como os pais as educam. Hoje entre 20 e 30% dos casais têm apenas um filho.

Além de tudo é possível ocupar-se melhor de um filho e dar-lhe mais oportunidades e facilidades na vida. Existem especialistas que afirmam que os filhos únicos possuem mais capacidade para ser vencedores na vida. Consideram que a criança vive com uma carga menor de ansiedade porque não tem que disputar o espaço nem a atenção dos seus pais. O que pode ser incoveniente porque a criança não aprende a compartilhar.

O problema de crescer sem irmãos é que todas as expectativas e as exigências familiares estarão postas sobre ele. Talvez seja por isso que alguns estudos sinalizam que um filho único cresce com idéias de vencedor, devido que seus pais projetam nele suas próprias ilusões e sempre lhes exigem dar o melhor de si mesmos. O filho único sofrerá os medos e erros dos seus pais. Não terão com quem compartilhar. E além disso, aborrecem-se um pouco mais que o normal. Mas nada é tão definitivo. Tanto os filhos únicos como os que têm irmãos passam pelas mesmas situações.
"

Dêem suas opiniões!

Beijos

9 comentários:

Roberta disse...

Sei de tudo isso, mas eu quero outro sim!
Acho importante a criança ter um amigo irmão, um companheiro. Irmão é muito diferente de um primo, de um amigo...
Enfim....
Sempre quis mais de um....
Se for pensar no lado financeiro da coisa, de fato, é assustador, mas já aprendi que R$ vem! E vem mesmo!
Se não der pra viajar pra longe com 2, viaja-se pra mais perto.
Se não der pra pagar AQUELA escola, estuda em outra. Muito da escola é o aluno e professores que fazem...
Fora que acho que vc sobrecarrega muito a criança. Sei lá...é amor demais em uma pessoa só! É cobrança demais em um só...
Minha opinião! :)
Beijos.

Cristiane disse...

Oi Déia, me chamo Cristiane e sou filha única, até os 15 anos não senti falta de irmão, minha família é grande e sempre tive muitos primos, mas confesso que na adolescência senti falta de alguém pra conversar, contar meus medos, enfim compartilhar todas as angústias da adolescência. Sempre me cobrei muito, e acho que talvez isto tenha feito com que eu queimasse algumas etapas, pois com medo de magoar ou decepcionar meus pais tentei me manter sempre na "linha", em função disso namorei e sai pouco e casei nova, 22 anos.
Antes de ter a minha Isabelle pensava em ter uns 3 filhos, mas depois que ela chegou comecei a me questionar se queria realmente ter mais filhos, pq ela me preenchia e então comecei a me questionar se gostaria realmente de ter um segundo filho. Aí a vida escolheu por mim, engravidei sem planejar, confesso que no início rejeitei a minha situação, pois me sentia traindo a minha filha, hoje estou mais conformada e começando a gostar da idéia, mas depois que este bebe nascer pretendo fazer ligadura, vou fechar a "fábrica", pois quero poder dar o melhor para os meus filhos sempre...
Quanto a ter um ou mais filhos, acho que deve ser uma decisão tua e de teu marido, não se preocupe com o que os outros vão pensar, cada um que cuide da sua vida.
É o que eu penso. Não sei se ajudei, mas queria contribuir.
Beijos...Cris mãe da Isabelle e grávida...

Micheli disse...

Oi, amiga.
Nossa situação financeira é bem apertada, mas ainda assim eu quero um segundo filho, sim. Fui filha única e nem por isso fui malcriada, mimada, nem essas coisas. Mas, até pela perda precoce da minha mãe, uma criança muito triste e sozinha. Meu pai sempre me cobrou muito; eu era a melhor aluna da turma, mas para ele nada era suficiente. Um 8,9 era o fim do mundo. Só cresci ouvindo críticas e me tornei crítica também. Meu marido teve irmãos e cresceu muito mais sociável. Eu sempre tive bons amigos, mas poucos. Ate porque meu pai inplicava com todos. Já meu marido cresceu em um ambiente mais livre, com muitos amigos ao redor, irmãos, enfim. Tinha uma condição financeira beeem inferior, teve muito menos materialmente e sempre estudou em escola pública, mas cresceu muito mais feliz e saudável. Tem uma facilidade enorme de fazer amizades em qualquer lugar, ao contrário de mim, que demoro mais para me abrir. Acho que não preciso ter quatro filhos como meus sogros, mas dois acho que é melhor que um. Senti muita falta de companhia em viagens e etc, qdo era só eu. E a Clara é tão sociável, não quero que perca isso, quero que tenha com quem compartilhar. Mesmo que isso limite um pouco as coisas para ela, não poderá fazer todos os cursos que quiser, terá de escolher. Acho isso até saudável.
Porém, vivemos em uma sociedade em que o filho único será cada vez mais comum (já é) e acho que cada um tem de respeitar as escolhas dos demais.
Beijos.

Giovana disse...

Ahhh Deia eu ainda nao penso em outro filho nao,na verdade tenho quase uma ideia fixa de nao querer, a unica coisa que pode quem sabe me fazer mudar de ideia é o fato da companhia e da amizade que um irmao possa proporcionar a ele.

Acho esse elo muito bacana, enfim tenho certeza que o adulto de amanha é resultado da dedicação e educação que nos pais damos a eles, que nao tem relação em ser filhos unicos ou nao. Concordo que filhos com vários irmaos sofra com outros problemas, indiferenças, preferencias, frustrações... enfim, me sinto super realizada com o PEDRO, acho que parei nele tbem.

bjsssssss

Desconstruindo a Mãe disse...

Oi, Déia,

Acho que qualquer família deseja possibilitar as melhores oportunidades aos filhos, o que é saudável e louvavel, né?!

Mas pra algumas famílias o fato de ter mas de um filho não diminui o que a Tânia Zagury chama de filhocentrismo, já ouviste falar?

As crianças que se tornam tiranos-mirins independem do número de irmãos, dependem mais do comportamento de pais, avós, até babás (quando a família tem condições e vontade de ter uma).

Acho que a reflexão sobre a capacidade de amar também não é o ponto... amor é algo que quanto mais se divide mais temos pra distribuir. A questão é muito de condições, de valores morais, porque muitas famílias desestruturadas têm filhos a rodo e ninguém se entende, não é?!

Agora um filho único pode ser solidário, cheio de compaixão, sensível às situações vividas por outras pessoas...

Só sei dizer que eu sempre desejei ter um irmão e a vida me proporcionou um muito especial. E a Larissa pedia desde 1 ano e meio, mas só com 5 anos conseguimos realizar esse sonho, dela e nosso também.

E recomendo a experiência a quem realmente tem vontade!

Meu marido fez vasectomia logo que o Caio nasceu. E sonho com adotar uma outra criança... Mas como já foi dito, dependerá também das condiçõe$, porque continuarei desejando oportunizar o melhor pra esse filho que, por enquanto, continua um sonho.

Beijo!
Ingrid

Desconstruindo a Mãe disse...

Olha esse link que acabei de encontrar: http://www.administradores.com.br/informe-se/carreira-e-rh/o-sucesso-vem-do-berco/39248/

Bj,
Ingrid

Nutrição e Cia disse...

Eu li viu Déia sobre isso e neste momento da vida estou com uma filha única em casa. Acho que hoje em dia as pessoas optam por ter apenas um filho exatamente pelo que vc relatou, mas todo sentido.
Escola, formação, uma boa viagem, um intercâmbio. Se a gente não fui rico ou milhonário, tem que pensar mesmo pra fazer mais filhos.
Boa essa de hoje, faz a gente pensar nos valores e o quanto pesa com as despesas de 2 ou mais filhos. Eu queria 200, mas pra todo mundo passar fome como os dessas pessoas despreparadas que enchem o mundo de crianças.......
É uma pena, mas pra cada um dos nossos, nascer 10 ou mais dessas pessoas que não tem amor a vida.
Bjs

Vânia Morais :D disse...

relamente é complicado
nao tenho filhos ainda por esses todos motivos
pois qdo ter quero ter no minino 2
para brincarem juntos
compartilhar
bons momentos
sabe 8 horas da noite q a mae mndar entrar vc ainda tem com q brincar
e quero ter filhos de quase a msm idade
pra viver juntos msm
ou ate brigas
q fazem parte
e pra isso haja dinheiro
mas tbm tem os planos de Deus
q pra cada familia é especial e unico

beijocass mil

Bianca disse...

Oi, Déia.

A Ju tem um irmãozinho, mas ele não mora conosco e, por uma imposição injusta da Justiça, estamos sofrendo muito por não vê-lo desde Junho....

Eles nem se conhecem ainda, pois quando a Ju saiu do hospital, esta imposição nos foi colocada.....

Mas, eu também não quero outro.... A não ser que eu venha a subir em um concurso público bom e tenha um excelente salário.... Aí, posso cogitar a idéia.... Mas, quero dar o melhor pra Ju e, pra isso, só dá um hoje.....

Pensão, coisas da Ju, mais nossas despesas.... Difícil....

Beijos

Isso tambem te interessa...

Blog Widget by LinkWithin